Jonathan Edwards sobre a Trindade

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Jonathan Edwards sobre a Trindade

Mensagem por MarceloEbed em Qua Fev 04, 2015 10:29 pm

W. Gary Crampton

Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto

1- Discutamos a Trindade.

JE: Muito bom! “Deus tem parecido glorioso para mim, na descrição da
Trindade. Isso tem me feito ter pensamentos exaltantes de Deus, que ele
subsiste em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo”.

2- A Trindade é “a suprema harmonia de tudo”.

3- Como temos visto, o Breve Catecismo de Westminster (Q. 5-6), ensina que “há só um
Deus, o Deus vivo e verdadeiro” e que “há três pessoas na Divindade: o Pai, o Filho e o
Espírito Santo, e estas três são um Deus, da mesma substância, iguais em poder e glória”.
Você concorda com esse ensino, correto?

JE: Correto; “todas as pessoas da Trindade estão em exata igualdade,
como somos ensinados no Catecismo; essas três são a mesma substância, igual
em poder e glória”.

4- O Deus único, vivo e verdadeiro da Escritura “subsiste
em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo”. E todos os três membros da
Deidade são igual e eternamente divinos, isto é, “toda a essência divina é
verdadeira e apropriadamente crida subsistir em cada uma dessas três
pessoas”.

5- Ontologicamente, “as pessoas da Trindade são iguais entre si”.

6- “Elas são em todo aspecto iguais na sociedade ou família dos três”, e “todas
elas são Deus”.

7- Nunca devemos pensar, então, que existem três deuses (tri-teísmo).
JE: Não, “não supomos que o Pai, o Filho, e o Espírito Santo sejam
três seres distintos, que têm três entendimentos distintos”.

8- Não devemos pensar do “Pai, Filho e Espírito Santo como três deuses distintos, amigos uns
dos outros”.

9- Os teólogos frequentemente usam o termo perichoresis quando falando sobre a Trindade,
para falar sobre a participação mútua e a co-herança entre as pessoas da Trindade. Você
sustenta essa visão?

JE: Sim. “Para esclarecer esse assunto, consideremos que toda a
essência divina é verdadeira e apropriadamente crida subsistir em cada uma
dessas três pessoas – a saber, Deus, seu entendimento e amor – e que existe
uma união maravilhosa entre eles, de forma que eles estão segundo uma
maneira inefável e inconcebível um no outro; de forma que um tem o outro, e
tenham comunhão um no outro, e como se um fosse o predicado do outro.
Como Cristo disse de si mesmo e do Pai, ‘Eu estou no Pai, e o Pai em mim’
[João 14:10], de forma que isso pode ser dito concernente a todas as pessoas
da Trindade: o Pai está no Filho, e o Filho está no Pai; o Espírito Santo está
no Pai, e o Pai está no Espírito Santo; o Espírito Santo está no Filho, e o
Filho está no Espírito Santo”.

10- Além do mais, a Confissão de Westminster ensina que cada uma das três pessoas na
Deidade tem propriedades distintas. As diferenças entre as pessoas não são diferenças na
essência; são meramente distinções dentro da Trindade.

JE: É assim mesmo; “a glória pessoal de cada uma das pessoas na
Trindade é igual, embora cada uma, assim como têm uma personalidade
distinta, tenha uma glória distinta, e de forma que uma tenha uma glória
peculiar que o outra não tem”.

11- No modo típico ortodoxo, a Confissão (2:3) diz que “na unidade da Divindade há três
pessoas de uma mesma substância, poder e eternidade - Deus o Pai, Deus o Filho e Deus o
Espírito Santo, O Pai não é de ninguém - não é nem gerado, nem procedente; o Filho é
eternamente gerado do Pai; o Espírito Santo é eternamente procedente do Pai e do Filho”.
Simplificando, o que distingue os três membros é a paternidade eterna do Pai, a Filiação
eterna do Filho, e a processão eterna do Espírito Santo. Isso está coreto?

JE: Sim, concordo com essa declaração; ela fala corretamente da
“geração [eterna] do Filho” e da “processão [eterna] do Espírito Santo”.

12- Mas gostaria de adicionar que a geração eterna do Filho consiste no Pai ter uma
idéia perfeita dele, que é o Filho: “A imagem de Deus que Deus infinitamente
ama e tem seu especial deleite nela, é a perfeita idéia de Deus… [que é] a
perfeita idéia de si mesmo”. E as “Escrituras nos dizem que o Filho de Deus é
essa imagem”. E afirmaria ainda que o Espírito Santo, como “eterno amor”, é
aquele membro da Trindade que procede eternamente do Pai e do Filho num
ato de “infinito amor e deleite” divino, que existe entre eles.

13- Deus é glorificado dentro de si mesmo dessas duas formas: 1) Aparecendo, ou sendo
manifesto a si mesmo em sua perfeita idéia; ou no Filho, que é o esplendor de
sua glória; 2) Regozijando e se deleitando em si mesmo, transbordando em
infinito amor e deleite para consigo mesmo; ou em seu Santo Espírito”.

14- Ou, dito de outra forma: “O Filho é a Deidade gerada pelo entendimento do Pai,
ou tendo uma idéia de si mesmo; o Espírito Santo é a essência divina
jorrando, ou soprada, em amor e deleite infinito. Ou, que é o mesmo, o Filho
é a idéia do Pai de si mesmo, e o Espírito é o amor e o deleite de Deus em si
mesmo”.

15- Resumindo, você está dizendo que o Pai tem sido eternamente o Pai, o Filho eternamente o
Filho, e o Espírito Santo eternamente o Espírito Santo?

JE: Sim, estou. “E isso suponho ser a bendita Trindade sobre a qual
lemos nas Sagradas Escrituras. O Pai é a Deidade subsistindo na forma mais
absoluta, não originada e principal, ou a Deidade em sua existência direta. O
Filho é a Deidade gerada pelo entendimento do Pai, ou tendo uma idéia de si
mesmo e subsistindo nessa idéia. O Espírito Santo é a Deidade subsistindo no
ato, ou a essência divina fluindo e soprando em infinito amor e deleite de
Deus em si mesmo. E creio que toda a essência divina verdadeira e
distintamente subsiste tanto na idéia divina como no amor divino, e que cada
uma delas “é uma pessoa propriamente distinta”.

16- Você crê, não é mesmo, que existe uma ordem de economia, ou administração, dentro da
Deidade, que é geralmente chamada de a Trindade econômica?

JE: Certamente, sim. “Existe uma subordinação das pessoas da
Trindade, em seus atos com respeito à criatura; que um age pelo outro, e sob
o outro, e com uma dependência do outro, em seus atos, e particularmente no
que eles agem na questão da redenção do homem. De forma que o Pai nessa
questão age como o Cabeça da Trindade, e o Filho sob ele, e o Espírito Santo
sob ambos”.

17- Você vê isso também na obra da criação, fazendo o homem em
sua própria imagem: “O Pai empregou o Filho e o Espírito Santo nessa obra.
O Filho concede aos homens entendimento e razão. O Espírito Santo os
capacita com uma santa vontade e inclinação com justiça original”.

18- E nesse relacionamento existe uma forma de subordinacionismo, mas a subordinação não é
na essência dos membros da Trindade, mas na função ou papel que cada membro tem que
realizar na história da redenção?

JE: Sim, “por conseguinte, podemos entender melhor a economia das
pessoas da Trindade como ela aparece na parte que cada um tem na questão
da redenção”.

19- Essa “ordem [ou] economia das pessoas da Trindade [é] com respeito às suas ações ad extra”.

20- E “todas as pessoas da Trindade contribuem em todos atos ad extra”.

21- “O Pai é antes do Filho, [mas] não em subordinação”.

22- Fonte: A Conversation with Jonathan Edwards, W. Gary Crampton, Reformation Heritage Books, p. 70-4.


MarceloEbed
Admin

Mensagens : 14
Data de inscrição : 03/02/2015
Idade : 34
Localização : Rio de Janeiro

http://talmidim.forumeiro.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum